Publicado em: 26/01/2019 às 09:23

Polícia faz operação para prender quase todos os vereadores em cidade do Tocantins

Foto: Reprodução/TV Anhanguera

A justiça determinou a prisão temporária de dez vereadores durante investigação da cobrança de propinas para aprovar projetos enviado pela prefeitura da cidade de Augustinópolis, na região norte do Tocantins. A Polícia Civil cumpriu os mandados na manhã desta sexta-feira (25/01). Apenas o presidente da câmara não teve a prisão decretada. Ao todo a casa tem 11 vereadores.

Segundo matéria do G1, a operação é feita pela Polícia Civil e Ministério Público. São 14 mandados de busca e apreensão, dez de prisão temporária e três intimações para prestar depoimento.

De acordo com investigações, os vereadores cobravam propina para aprovar projetos enviados pela prefeitura. A suspeita é de que o esquema movimentava cerca de R$ 40 mil por mês.

Além de determinar a prisão, a Justiça determinou também o afastamento dos dez vereadores por 180 dias. Com isso os suplentes devem ser nomeados imediatamente para ocupar os cargos.

Apenas o presidente da Câmara, que não está sendo investigado neste momento, continua no cargo.

Os mandados de prisão são contra os seguintes vereadores:

  • Maria Luisa de Jesus do Nascimento (PP)
  • Antônio Silva Feitosa (PTB)
  • Antônio Barbosa Sousa (SD)
  • Antônio José Queiroz dos Santos (PSB) – Foragido
  • Edvan Neves Conceição (MDB) – Foragido
  • Ozeas Gomes Teixeira (PR)
  • Francinildo Lopes Soares (PSDB)
  • Angela Maria Silva Araújo de Oliveira (PSDB)
  • Marcos Pereira de Alencar (PRB)
  • Wagner Mariano Uchôa Lima (MDB) – Foragido

Serão levados para depor o presidente da Câmara de Vereadores, Cícero Cruz Moutinho (PR), o secretário de administração de Augustinópolis e um servidor do controle interno do município.

Fonte: G1

Deixe sua mensagem

Portal Rio Longá | Copyright © 2012-2014 | Todos os direitos reservados